BLOG

Tudo que você precisa saber sobre descomissionamento de barragens

A segurança de estruturas de barramentos passou para os holofotes nos últimos anos por conta de acidentes ocorridos. O descomissionamento de barragens de rejeitos virou assunto comum até mesmo entre pessoas que nunca tiveram algum contato com a atividade mineradora. Mas do que se trata essa atividade, ela possui riscos, é simples de fazer? Confira algumas respostas abaixo.

O que é descomissionamento de barragens

Antes de tudo vamos detalhar do que se trata o descomissionamento. Se trata do momento em que as atividades da estrutura se encerram, ou seja, ela para de receber rejeitos, e inicia a transição para que se torne uma área estável de longo prazo.

O descomissionamento pode ou não envolver a retirada dos rejeitos armazenados, apesar de alguns especialistas considerarem que apenas com a remoção total da estrutura e rejeitos pode-se utilizar este termo. É possível encontrar outras formas de nomear a atividade, como fechamento de barragens, desativação, descaracterização, remoção, abandono, entre outros.

Independente do nome utilizado, é importante que o serviço garanta que o local não tenha mais a função de barramento, que esteja estável e, em caso de escolha por manter alguma estrutura, que haja controle e monitoramento para verificar a eficácia das medidas de remediação para posterior liberação da área.


Receba o conteúdo exclusivo sobre a Exposibram 2019


Como realizar o descomissionamento de barragens?

Essa é uma resposta mais complexa e vai depender de muitas variáveis. Para que haja um descomissionamento efetivo, que garanta a recuperação das áreas degradas, alguns estudos precisam ser realizados. O material de construção da estrutura, sua finalidade, o material contido no reservatório e a região do barramento são alguns deles.

Estudos ambientais, avalições hidrológicas da bacia, inventário sobre a fauna e flora da região e a comunidade em volta da estrutura também são consideradas antes de iniciar o trabalho. A partir de todas essas informações que é possível criar um plano de trabalho que garanta para depois do descomissionamento um local com uso compatível com suas aptidões. Isso considerando aspectos físicos, bióticos (relativos à vida) e socioeconômicos.

Quais os prós e contras de realizar o descomissionamento de barragens?

É importante ressaltar que o trabalho de descomissionamento envolve riscos. A depender do produto armazenado no reservatório e a forma de contenção destes, o meio ambiente pode ser impactado. Entre os pontos de atenção, podemos destacar:

  • Contaminação do lençóis freáticos e solo, caso a barragem não tenha sido executada adequadamente;
  • Alterações nas vazões dos corpos hídricos naturais, pois toda barragem funciona como uma reguladora de vazão;
  • Impacto visual provocado pela estrutura no meio ambiente;
  • Impactos ambientais na fauna e flora.

Ao mesmo tempo que os riscos são considerados, há os ganhos que o trabalho traz para a região do barramento. O legado pós mineração é muito importante, pois permite a reabilitação e uso futuro da área impactada pelo empreendimento.

Para a definição do que será feito da área, deve-se avaliar as aptidões da região considerando aspectos físicos, bióticos e socioeconômicos. Destacamos ainda alguns usos que podem ser feitos do local após o descomissionamento:

  • Abastecimento de água;
  • Lazer e recreativo (utilização como complexo esportivo ou construção de parque);
  • Reaproveitamento imobiliário;
  • Restauro ambiental, através de plantio de vegetação nativa;
  • Conservação e pesquisa;
  • Turismo e valorização cultural

Confira o portfólio da Allonda para o segmento de Mineração


Quando iniciar um processo de descomissionamento?

Durante todo o tempo de operação deve-se considerar o descomissionamento, principalmente por conta dos investimentos necessários para realizar o projeto. As ações devem ocorrer já no período de atividade da estrutura, se possível.

Na construção do planejamento deve-se levar ainda em consideração a proteção da saúde e segurança social, a mitigação ou eliminação por completo de danos ambientais, o retorno do solo à sua condição original ou uma alternativa aceitável para uso produtivo da terra, e propiciar benefícios sociais e econômicos para a comunidade.

O tempo de execução do descomissionamento varia de acordo com cada estrutura e possibilidades de trabalho, depende da barragem em questão. A principal dificuldade encontrada está na estabilidade, já que o trabalho implica em vibrações e esforços extras que podem desestabilizar o maciço e promover sua ruptura.

Portanto o descomissionamento de barragens deve ser feito sempre com muito critério, atendendo completamente todas as boas práticas da engenharia e com a preocupação de manter a estabilidade física e hídrica da estrutura até o final do projeto.

Artigos Relacionados

Acompanhe notícias e tendências do mercado ambiental

Veja mais

Assine nossa newsletter para receber novidades da Allonda!



WhatsApp Fale com nosso Comercial agora via WhatsApp