BLOG

A Evolução do Desenvolvimento Sustentável

Hoje, o desenvolvimento sustentável é um conceito tão próximo que não precisa de muita introdução já que todos nós temos uma ideia do que ele representa. Mas, apesar dessa familiaridade, a verdade é que ele é relativamente novo. Você conhece a evolução do Desenvolvimento Sustentável na nossa sociedade? Nesse post, resumimos alguns acontecimentos marcantes que ajudaram a construir esse conceito.

1948 – Declaração Universal dos Direitos Humanos

Pouco após o fim da Segunda Guerra Mundial, a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi elaborada em Paris por representantes de diferentes origens culturais e ideológicas. Declarado em 10 de dezembro de 1948, é o documento mais traduzido do mundo, e pode ser encontrado em mais de 500 línguas.

1956 – Doença de Minamata Japão

A cidade de Minamata, no Japão, sofreu uma intensa contaminação por mercúrio, proveniente de um descarte industrial em sua baía, realizado por um empresa instalada na região na década de 30. Os primeiros casos apareceram em 1956 e, no total, centenas de pessoas adoeceram, algumas fatalmente, ao consumirem peixes contaminados. Em 1973 a Chisso tornou-se a primeira empresa da história a ser responsabilizada por um desastre ambiental, sendo condenada a pagar mais de 600 bilhões de dólares às 138 pessoas que moviam processo contra ela.

1962 – Primavera Silenciosa

A bióloga e escritora Rachel Louise Carson lançou, em 1962, Primavera Silenciosa (Silent Spring), livro que iniciou uma verdadeira revolução ecológica ao chamar a atenção para os efeitos de agrotóxicos na natureza, pintando um cenário futuro de completa devastação.

1972 – Conferência de Estocolmo e Relatório Limites do Crescimento

Elaborado por uma por equipe do MIT (Massachusetts Institute of Technology), no início de 1972, o Relatório Limites do Crescimento teve uma grande repercursão na primeira Conferência Mundial sobre Meio Ambiente Humano, realizada no mesmo ano em Estocolmo, Suécia. A discussão girou em torno da necessidade da imposição de limites na exploração dos recursos naturais, a medida que a população mundial e a indústria cresciam em ritmo cada vez mais acelerado.

1983 – Comissão Brundtland

A médica e ex-Primeira Ministra da Noruega Gro Harlem Brundtland foi convidada, em 1983, para presidir a Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, composta por especialistas de diversas áreas, com o objetivo de aprofundar propostas mundiais voltadas à área ambiental.

1984 – Acidente em Bhopal, índia

No dia 3 de dezembro de 1984, uma fábrica da empresa americana Union Carbide, localizada a cerca de 5km de Bhopal, na Índia, teve um sério vazamento de gases, que criou uma nuvem tóxica responsável por matar 3.500 pessoas, segundo o governo. Organizações de direitos humanos dizem que o número de casos fatais chegou a 25 mil, considerando os anos seguintes. Em 2010, sete funcionários da empresa foram condenados pelo acidente.

1986 e 1989 – Acidente de Chernobyl e Exxon Valdez 

A segunda metade da década de 80 foi marcada por dois grandes desastres ecológicos: o de Chernobyl, na antiga União Soviética, hoje Ucrânia, e o da Exxon Valdez, no Alasca.

Em abril de 1986 um dos quatro reatores da usina nuclear de Chernobyl explodiu, espalhando radiação pelos arredores da usina, matando pelo menos 15 mil pessoas. A cidade de Pripyat foi totalmente evacuada e hoje é um local abandonado ainda sob efeito radioativo.

Três anos depois, o superpetroleiro Exxon Valdez bateu contra um bloco de gelo, derramando 36 mil toneladas de petróleo bruto nas águas do Alasca, contaminando peixes, aves e praias num raio de até 750 quilômetros do local do acidente. A pressão de ecologistas e da opinião pública fez a Exxon desembolsar U$ 1 bilhão em uma força tarefa para limpar os estragos causados pelo desastre, operação que durou seis meses.

1987 – Relatório Brundtland – Nosso Futuro Comum

Em 1987 a comissão Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada em 1983, publicou o relatório Nosso Futuro Comum, um dos primeiros documentos a trazer ao público o conceito de desenvolvimento sustentável.

1992 – Conferência Rio 92

Conhecida como ECO-92, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento aconteceu no Rio de Janeiro em junho de 1992. Nela, pela primeira vez, a comunidade política internacional admitiu a necessidade de pensar o desenvolvimento econômico também do ponto de vista ambiental e social. Foi nessa reunião que foram estabelecidos alguns novos padrões de consumo como, por exemplo, a redução da utilização de combustíveis fósseis.

1994 – Conceito do Triple Bottom Line

O conceito do Tripé da Sustentabilidade foi cunhado pelo britânico John Elkington, sociólogo e consultor que designou que a sustentabilidade deve ser entendida e tratada através de três pilares básicos: o ambiental, o social e o econômico. Portanto, as empresas, especialmente, devem buscar fundamentar sua atuação de forma a trabalhar esses três conceitos de forma harmoniosa em busca do real desenvolvimento sustentável.

1995 – Desativação da Plataforma Brent Spar

Em abril de 1995, ativistas do Greenpeace ocuparam a plataforma de petróleo Brent Spar pedindo o cancelamento do seu afundamento no oceano Atlântico. Após 52 dias de protestos e negociações, foi decidido que a plataforma seria desmontada. Suas peças foram utilizadas para a construção de um cais na Noruega.

1997 – Protocolo de Quioto

Redigido e assinado na cidade de Quioto, no Japão, o Protocolo de Quioto é um acordo internacional entre os países integrantes da Organização das Nações Unidas, que assumem o compromisso de reduzir a emissão dos gases que causam o efeito estufa. O protocolo criou diretrizes que tem como objetivo diminuir o impacto ambiental causado pelo desenvolvimento industrial.

1998 – Lançamento do IDH 

O primeiro relatório de Índice de Desenvolvimento Humano foi lançado pela ONU no ano de 1990, com o objetivo de analisar e medir como as pessoas vivem através de três fatores básicos: longevidade, saúde e renda. Até então, o principal parâmetro de desenvolvimento era o Produto Interno Bruto (PIB), uma ótica puramente econômica que não levava em consideração valores sociais e políticos. Mas, em 1998, o Brasil foi um dos primeiros países a adaptar o IDH para o âmbito municipal, o que garante um índice mais refinado.

2000 – Protocolo de Cartagena e Lançamento dos ODM

No ano 2000, a Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (CDB) adotou o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança, que busca assegurar um nível adequado quanto ao uso e movimentação de organismos vivos modificados, tendo em mente a necessidade de proteção do meio ambiente e da saúde humana.

No mesmo ano, líderes mundiais se reuniram na sede da ONU, em Nova York, para adotar a Declaração do Milênio. Nela as nações se comprometeram a alcançar, em 15 anos, oito metas conhecidas como os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM):

  1. Redução da Pobreza;

  2. Atingir o ensino básico universal;

  3. Igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres;

  4. Reduzir a mortalidade na infância;

  5. Melhorar a saúde materna;

  6. Combater o HIV/Aids, a malária e outras doenças;

  7. Garantir a sustentabilidade ambiental;

  8. Estabelecer uma Parceria Mundial para o Desenvolvimento.

2002 – Rio +10 – Johanesburgo      

A Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável aconteceu em Johanesburgo, na África do Sul, em 2002 e ficou conhecida como Rio+10 por ter como tema principal a discussão a respeito dos avanços alcançados por alguns acordos criados na Rio 92. Nesse encontro, dois documentos foram desenvolvidos: a Declaração de Joanesburgo e o Plano de Implementação. Enquanto o primeiro reafirma os compromissos assumidos em 1992, o segundo estabelece algumas ações que buscavam guiar a implementação de tais compromissos.

2010 – Protocolo de Nagoya e Metas de Aichi

O Protocolo de Nagoya é um acordo internacional que regulamenta o acesso aos recursos genéticos e o compartilhamento de benefícios da biodiversidade, adotado durante a 10ª Conferência da Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP10/CDB), que aconteceu no Japão, em 2010. Na ocasião também foram criadas as Metas de Aichi, que traçam 20 objetivos voltados à conservação da Biodiversidade.

2012 – Rio +20

A terceira edição da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável voltou ao seu local de origem, em 2012, e novamente propôs a renovação do compromisso das nações com o desenvolvimento sustentável.

2015 – Lançamento dos ODS e Acordo de Paris

Passados os 15 anos dados pela ONU para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, novas metas foram traçadas para que todos países os implementem até o ano de 2030. Dessa vez, foram 17 objetivos traçados na nova agenda de desenvolvimento sustentável.

Também em 2015, foi assinado o histórico Acordo de Paris, aprovado por 195 países, para reduzir a emissão de gases causadores do efeito estufa, em uma tentativa de manter a temperatura global mais próxima dos níveis pré-industriais.

A Allonda e o desenvolvimento sustentável.

A evolução do desenvolvimento sustentável é marcado pela mudança na relação de uso dos recursos do meio-ambiente e de avaliações e acordos que buscam equilibrar constantemente crescimento com sustentabilidade. A Allonda não apenas acompanha de perto as discussões e decisões acerca do tema, como trabalha diariamente para que elas sejam levadas adiante.

Caso queira saber mais profundamente como incorporamos o desenvolvimento sustentável nos nossos objetivos, veja como tratamos do assunto no nosso mapa estratégico.

Artigos Relacionados

Acompanhe notícias e tendências do mercado ambiental

Veja mais

Assine nossa newsletter para receber novidades da Allonda!