Ao falarmos sobre tendências sustentáveis precisamos considerar as mudanças que a pandemia da Covid-19 gerou no comportamento dos consumidores.

Com a saúde como prioridade, eles estão ainda mais atentos ao que consomem e o que as empresas e indústrias têm feito para tornar a produção mais sustentável.

Desta forma, a transparência na produção de alimentos e bebidas, por exemplo, é cada vez mais essencial, bem como o alinhamento às tendências sustentáveis que já estão em evidência e serão foco nos próximos anos.

Continue a leitura, confira as principais tendências sustentáveis que listamos e descubra se a sua indústria já aplica algumas delas e quais pode colocar em prática!

Transparência na origem dos alimentos é uma das tendências sustentáveis

De acordo com a Innova Market Insights, especialista em tendências de alimentos, 6 em cada 10 consumidores globais querem saber a fonte do que ingerem. Além disso, eles querem saber se os produtos são sustentáveis e se compactuam com alguma causa. 

Isso nos mostra uma maior clareza da população no que se refere à responsabilidade social, bem como a necessidade de transparência e adequação das indústrias de alimentos e bebidas para atender essa demanda.

Trazendo isso para a prática, um bom exemplo é a Nestlé, que, de acordo com o site EPBR, está apostando em tecnologias de geomonitoramento e rastreabilidade para garantir que as matérias-primas utilizadas na fabricação dos alimentos da marca sejam de origem ambiental e socialmente responsável. Um dos compromissos globais é que até 2025 todos os chocolates da companhia sejam feitos com cacau 100% responsável.

Alimentação à base de plantas

Outra preocupação do consumidor está diretamente ligada à questão animal e ambiental, ambos entrelaçados. Por conta disso, existe uma busca crescente por alimentos à base de plantas, cada vez mais presentes em redes de fast-foods, por exemplo. 

Em solo brasileiro, já encontramos opções como o Futuro Burger, feito a partir da proteína da ervilha, proteína isolada da soja e do grão-de-bico, além de beterraba para simular a cor de carne mal passada. 

Quando levamos essa tendência para dentro da indústria de alimentos, é interessante refletir sobre os alimentos que são produzidos e como o processo pode ser otimizado para ofertar ao mercado produtos alinhados a essa tendência.

Isso porque, segundo relatório do escritório do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), em São Paulo, 60% de todas as pessoas entrevistadas prefeririam comprar alimentos à base de plantas se os preços fossem semelhantes aos de origem animal.

Embalagens sustentáveis

Se o que ingerimos impacta o mundo ao nosso redor, certamente o que embala os alimentos que consumimos também tem sua contribuição, positiva ou negativa. 

Nesse sentido, qual é o impacto gerado pelas embalagens de alimentos que a sua indústria produz? Existe essa preocupação com o descarte dessa embalagem ou com quais materiais ela é produzida? Você já analisou se os seus consumidores têm deixado de consumir o seu produto para consumir o de um concorrente devido à oferta de uma embalagem sustentável?

Muito além de entregar uma embalagem bonita, que chame a atenção do consumidor, é preciso se preocupar com a destinação e possibilidade de reciclagem dela, de forma que impacte menos possível no meio ambiente.

A exemplo das mudanças de postura alinhadas às tendências sustentáveis, a Tetra Pak está trabalhando para introduzir no mercado a embalagem para produtos alimentares mais sustentável do mundo: uma embalagem de cartão, fabricada exclusivamente a partir de materiais renováveis ou reciclados, obtidos de forma responsável, que seja totalmente reciclável e neutra em emissões de carbono, segura e funcional.

Redução da pegada de carbono

Reduzir a pegada de carbono se apresenta como um passo essencial para conter o avanço das mudanças climáticas. 

No pico do isolamento social, com a retenção da demanda de energia no mundo, as emissões globais de dióxido de carbono (CO2) diminuíram 17% no início de abril de 2020 em comparação com os níveis médios de 2019, segundo um artigo publicado na Nature Climate Change

Alguns fatores para essa alteração se devem à diminuição de transportes nas ruas durante a pandemia, além do setor de aviação, que foi particularmente afetado, tendo frotas mais escassas.

Abordando essa temática dentro das indústrias, além da preocupação com a matéria-prima para a produção de embalagens sustentáveis, recicláveis ou renováveis,  há também a atenção com a quantidade de gás carbono emitido por elas.

Uma forma interessante de reduzir a pegada de carbono no processo produtivo industrial é utilizar eletricidade renovável nas operações de manufatura. 

Outra opção é usar a compostagem a partir do lixo orgânico gerado na fabricação de alimentos e bebidas. Assim, é possível transformar resíduos orgânicos em fertilizantes, colaborando para a economia circular. 

Nesse sentido, é preciso pensar e estruturar ações que possam trazer menos impacto nas questões que envolvem o processo industrial e o meio ambiente.

Gestão da água

A demanda por uso de água no Brasil deve aumentar em 30% até 2030, segundo dados da Agência Nacional das Águas (ANA). Como se trata de um recurso primordial para a manutenção da vida na Terra, é necessário pensar em medidas eficazes para a sua preservação. 

A gestão da água por parte das indústrias é um ponto cada dia mais primordial, já que para o processamento e produção de alimentos e bebidas, por exemplo, existe um consumo alto deste recurso.

Além disso, um ponto que precisamos reforçar é que no Brasil a água doce não é uniformemente distribuída, existindo em abundância em algumas regiões e com escassez em outras.

Desta forma, quando colocamos esse assunto em pauta, se torna essencial o valor de uma boa gestão desse recurso não vitalício. Algumas ações que a sua indústria pode realizar e que muitas outras já vem colocando em prática é a estruturação de projetos para uso e/ou reciclo da água, tratamento de água ou mesmo soluções mais completas como a gestão hídrica como um todo.

Alguns exemplos de indústrias que já definiram objetivos relacionados ao uso/reuso de água, conforme conteúdo do site Alimentos Processados são:

  • Hershey’s: meta para 2025 é reduzir o consumo de água em 25%;
  • MARS: meta para 2025 reduzir em 50% o uso não sustentável de água na cadeia de valor da empresa.
  • Pepsico: Metas para 2025: reabastecer 100% da água consumida em operações de manufatura localizadas em áreas de alto risco, garantindo que o reabastecimento ocorra na mesma bacia onde a água foi extraída; Garantir que 100% das águas residuais das operações atendam aos padrões de proteção do meio ambiente da empresa; Aumentar a eficiência do uso de água da cadeia de fornecimento agrícola direto em 15% nas áreas de abastecimento de água de alto risco.

Redução de desperdícios no processo produtivo

Um terço da produção global de alimentos é desperdiçada, de acordo com a agência da ONU para a Agricultura e Alimentação (FAO). A partir do entendimento da gravidade disso, surgem iniciativas de stakeholders para solucionar ou minimizar as principais causas. 

Desta forma, é fundamental haver estratégias corporativas alinhadas com políticas públicas, além de uma boa gestão da cadeia produtiva, de modo a visar a redução de desperdícios por parte dos fornecedores de matérias-primas e demais etapas do processo.

Quais são os próximos passos?

Como você viu, existem algumas tendências sustentáveis que já norteiam os passos do mercado há algum tempo. Entretanto, com todas as mudanças que estamos vivendo nos últimos meses, algumas ganharam ainda mais relevância, enquanto outras surgiram.

Portanto, é fundamental que a sua indústria esteja alinhada com elas, não apenas para suprir as necessidades dos consumidores, mas também contribuir com o meio ambiente.

As práticas sustentáveis dentro do negócio, nos processos e na atuação como um todo, precisam ser vistas como essenciais, pois devemos pensar nas gerações futuras.

Quais dessas tendências já são colocadas em prática no seu negócio? O que precisa ser estudado com maior profundidade para que um plano seja estruturado? A gestão de água na sua indústria pode ser realizada com mais assertividade? A geração e destinação de resíduos pode ser otimizada?

Você pode não estar inserido no dia a dia dos processos, mas pode contribuir optando por produtos e fornecedores sustentáveis e gerando debates, e conversas com as pessoas responsáveis da sua indústria.

Por fim, se você quer continuar informado sobre notícias e insights do seu setor, clique abaixo e se inscreva gratuitamente para receber nossa newsletter!