Indicadores ESG: desafios e a importância na Gestão de Resíduos

Hoje o mercado exige que as empresas, ao desenvolverem suas atividades econômicas, discutam e aprimorem ativamente seus papéis enquanto agentes transformadores da sociedade, rompendo a ideia obsoleta de que estão apenas interessadas no lucro, e mostrando aos investidores, colaboradores e consumidores que o comprometimento corporativo também abrange ética, promoção da diversidade e cuidado com o meio ambiente.

O caminho a longo prazo para alcançar esse objetivo é apostar todas as fichas na aplicação de novas práticas, como é o caso dos indicadores ESG (Environmental, Social and Corporate Governance – Governança Ambiental, Social e Corporativa), que recentemente ganhou grande notoriedade no mundo corporativo.

Mas, apesar de ser amplamente debatido e adotado em narrativas empresariais, diversos desafios ainda surgem quando o assunto é colocá-lo em prática.

Então, se você ainda não entende por que o ESG é tão fundamental para as empresas que buscam se destacar no mercado e como a Gestão de Resíduos pode ajudar nessa jornada, preparamos esse conteúdo para esclarecer todas as suas dúvidas. Boa leitura!

Por que se alinhar ao ESG é importante?

De acordo com a Pesquisa Global de Investimento Responsável de Private Equity 2021, realizada pela PwC, 65% dos entrevistados desenvolveram uma política de investimento responsável ou de ESG, bem como ferramentas para implementá-la nas suas organizações.

Outro dado relevante é que 49% dos entrevistados revelam ter incorporado questões ESG altamente relevantes à diligência prévia comercial ao tomar decisões de investimento e 89% estão preocupados com o cumprimento da regulamentação ESG.

Quanto ao panorama brasileiro, o levantamento feito pela Morningstar, em parceria com a Capital Reset, aponta que somente no ano de 2020, os fundos ESG captaram R$ 2,5 bilhões, e que mais da metade desta captação é proveniente de fundos criados nos últimos 12 meses, por isso a tendência é que essa pauta ganhe ainda mais força nos próximos anos.

No mundo atual, no qual as empresas são acompanhadas de perto pelos seus diversos stakeholders, atuar de acordo com os padrões ESG pode gerar inúmeros benefícios, já que o conceito está totalmente alinhado aos 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da Agenda 2030, que hoje é uma realidade nas discussões no mercado de capitais, pois reúnem os grandes desafios e vulnerabilidades da sociedade como um todo.

Desafios

A falta de uma estratégia que coloque o ESG em prática, assim como uma narrativa de sustentabilidade que só existe na teoria, pode deixar a empresa exposta a riscos, já que as informações que devem integrar o relatório do ESG vão além dos dados financeiros usuais e até mesmo de sustentabilidade, devendo refletir os objetivos gerais do negócio, sua visão, missão e valores.

Porém, aplicar esse conceito na prática ainda representa grandes desafios, entre eles:

  • Mensuração de Resultados

O modo de avaliação e mensuração de resultados provenientes de ações sustentáveis, sociais e de governança ainda continua sendo um desafio, o que faz as empresas terem dúvidas se estão ou não adequadas ao ESG.

  • Agenda de Desenvolvimento Sustentável 

Em relação aos 17 ODS, as empresas devem definir o seu horizonte de análise, rastrear as suas cadeias de valor, manter uma comunicação assertiva e avaliar os impactos do seu negócio, o que vai muito além dos aspectos financeiros. Porém, esse ainda é um obstáculo para muitas organizações.

  • Atualização

Nos últimos dois anos houve um grande avanço nessa pauta e, mesmo as empresas que já praticavam a governança corporativa, socioeconômica e sustentável, precisavam ou ainda precisam se atualizar e adentrar nas novas regras relacionadas ao ESG.

  • Conscientização 

Os debates sobre os pilares do ESG devem ter espaço durante as decisões superiores, além de estarem enraizadas na cultura organizacional da empresa, para que todos permaneçam alinhados a uma mesma pauta.

  • Escolha das Estratégias

Muitas vezes as empresas não conhecem possíveis atividades que estão relacionadas ao ESG e podem ser facilmente incorporadas à rotina, como é o caso da Gestão de Resíduos.

Importância do ESG na Gestão de Resíduos

A Gestão de Resíduos sempre esteve próxima ao conceito ESG de uma forma natural, e sabe por quê?

Porque o reaproveitamento de resíduos, por meio da adoção de processos associados ao conceito de economia circular, é uma solução inteligente e ambientalmente responsável para reutilizar materiais que antes seriam descartados permanentemente e, possivelmente, causariam danos ao meio ambiente a médio e longo prazos.

Mas, com uma gestão efetiva, é possível reintroduzir estes resíduos na cadeia produtiva, em vez de destiná-los a aterros sanitários. A prática reduz significativamente a possibilidade do seu descarte ser feito no meio ambiente e diminui o uso de matérias virgens para a produção de novos produtos.

E não para por aí! A adoção da Gestão de Resíduos baseada no ESG promove inúmeros benefícios para as organizações, como:

  •       Aumento de visibilidade entre investidores, já percebido na bolsa de valores.
  •       Apoio público das partes interessadas.
  •       Fortalecimento da imagem corporativa perante a comunidade.
  •       Ganho de eficiência em processos produtivos.
  •   Redução de custos, já que possibilita a comercialização de novos produtos e minimiza o uso de transporte e destinação do lixo.
  •       Diminuição dos riscos de sanções ambientais.

Você também poderá gostar desse artigo: “Entenda como a engenharia com práticas ESG impacta na competitividade das indústrias”.

Como alinhar a Gestão de Resíduos ao conceito ESG na prática?

O primeiro passo é trabalhar com empresas especializadas em indicadores ESG, ou seja, que tenham uma experiência sólida em projetar, monitorar e medir instalações de gerenciamento de resíduos para que aumentem seu potencial e agreguem mais valor sustentável aos processos.

A Allonda, além de emitir debêntures atreladas às práticas ESG (Ambientais, Sociais e de Governança), tem uma estrutura de Gestão com Propósito, que se fortalece a cada dia.

Isso significa que assim como cuidamos dos nossos próprios indicadores e iniciativas, sabemos que impactam diretamente na agenda ESG de cada cliente e, por isso, estruturamos todas as nossas soluções na sustentabilidade social, ambiental e econômica; saúde e segurança; inovação e governança corporativa.

Entregamos valor compartilhado em todas as nossas operações, considerando sempre a ecoeficiência e o impacto que elas podem causar à sociedade! Ainda tem dúvidas sobre como a Allonda aplica o conceito ESG à Gestão de Resíduos? Conheça todas as nossas soluções nessa área!

Leia também: “7 motivos para fechar projetos de energia com uma empresa de engenharia com práticas ESG!”